quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Publicidade Agressiva ou como afastar as pessoas de comprar

Estou eu aqui internet e começo a ouvir uma voz. Estarei a fica maluca?? Queres ver que não tirei o som ao ultimo vídeo que vi no facebook? Ou pus som num qualquer? Será vírus?? Fecho o browser. Silencio.
 
Não é vírus, começo a abrir página a página o que tinha aberto e eis que descubro que numa dessas páginas tinha um vídeo com publicidade a um novo telemóvel da Samsung. Não consegui tirar o som, optei por tirar o som ao PC. Detesto estas publicidades e honestamente quem não compra o telemóvel sou eu!!

terça-feira, 22 de agosto de 2017

And then there were none

Este é o nome de uma série da BBC que adapta um livro de Agatha Christie. Apesar de ser uma grande leitora, nunca li um policial. Shame on me! Mas aqui e ali vejo séries e filmes do género.
 
Esta série é qualquer coisa de genial, começando no elenco e acabando no enredo. Num policial é cometido um crime, há uma investigação, todos são suspeitos e todos podem ser culpados... Aqui não acontece nada disso.
 
Dez estranhos são atraídos para uma casa localizada numa ilha isolada do mundo. Logo na primeira noite uma gravação é posta a tocar e aponta cada um deles culpado de um crime. Todos dizem que não cometeram tal crime... A partir do momento que um deles morre o mistério começa. É apenas a primeira morte, outras se seguirão. Haverá mais alguém na ilha? Será o assassino um deles?? 
 
Há medida que o tempo passa o mistério torna-se maior, a desconfiança entre as pessoas que estão na casa. Há uma tensão palpável. Aconselho a todos querem gostem de mistérios quer não gostem.
 
 
P.S: o livro é inspirado no poema: Ten Little Indians que fala de dez pessoas que vao desaparecendo e os crimes são iguais aos descritos no poema.
 
 



 

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

E se a Madrigal respondesse ao mails de spam??

Quando vêm do banco:
 
Boa tarde,
 
posso saber onde descobriu o meu email? Pergunto porque eu não sou cliente do vosso banco....
 
 
Se vierem dizer que tenho uma multa para pagar:
 
Deve de haver algum engano, eu não passei nesse dia, a essa hora nesse local. Tenho registos médicos que comprovam que estive numa consulta.
 
 
Se vier da Apple, FNAC, Worten e afins:
 
Eu sou moça pobre por isso não tenho dinheiro para um iphone/televisor de 20 polegadas/máquina de café.
 
 
Eu nunca respondo a estes mails. Mas juro que há dias que me apetece responder só para ver se havia reacção!! :D

sábado, 19 de agosto de 2017

Madame de Maintenon ou o que tiver que ser nosso às nossas mãos vem ter

Toda a gente sabe que os reis tinham amantes. Muitas delas ficaram célebres e muitas foram mais amadas do que as rainhas.
 
Há uns anos vi uma série francesa chamada a Alameda do Rei. A série é sobre Madame de Maintenon, uma das amantes do rei Luís XIV. Maintenon tem uma história de vida bastante comum a muitas mulheres da sua época. Nasce, cresce, é educada num convento, casa, fica viúva. Ia ser apenas mais uma mulher cuja vida permanecia anónima.
 
Mas o destino, a vida, o que lhe quiserem chamar não quis assim. Um dia Madame de Maintenon conhece Madame de Montespan. As duas ficam amigas. Para quem não sabe Madame de Montespan era na altura a amante do rei, Luís XIV. Montespan decide contratar a amiga para ser preceptora dos filhos que tinha com o rei.
 
O rei eventualmente começou a olhar para a Madame de Maintenon, dizem que estava cansado da Montespan. E sabem como é, uma coisa leva a outra e eventualmente Madame de Maintenon torna-se amante do rei e quando ele fica viúvo casam.
 
O curioso desta história é ter sido a Madame Montespan a dar a conhecer a Madame de Maintenon, ao rei. Se elas não se tivessem conhecido talvez o rei nunca tivesse conhecido a Madame de Maintenon ou talvez tivesse conhecido. Sabem como se costuma dizer: o que tiver que ser nosso às nossas mãos vem ter...


 

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Modas que eu não gosto



 
Eu sempre disse que se tivesse gémeos não os ia vestir de igual, não gosto. Da mesma forma que não gosto de ver irmãos vestidos de igual. Não são gémeos e muitas vezes têm idades muito diferentes. Ultimamente vejo muitas fotos como as de cima em que vemos mãe e filha vestidas de igual. Acho uma moda terrível. Eu até sei que as miúdas gostam de andar iguais à mãe, mas é algo que não gosto. Alguns modelos ainda acho tolerável, mas outros é horrível. São cores que não favorecem as crianças e até são pesadas para elas, além disso acho que tornam adulto quem ainda é criança...

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Quem quer a colecçao Nomad??

Não sei se alguém quer mas eu não quero! Mas perguntam vocês estás a falar do quê?? Isto, a nova colecçao da Zara. Achei tudo tão feio que fiquei sem palavras!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Eu sou do tempo em que uma ida à Zara era para comprar roupa. Da mesma forma que ir à Parfois significava uma compra de uma carteira... Agora isso já não é assim. A Zara tem cada vez mais opções a nível de acessórios e calçado. Por seu lado a Parfois parece cada vez mais empenhada em oferecer outras coisas para além de malas e malinhas.
Se isto é bom? Eu acho que é. Não me faz confusão, não acho estranho. E percebo que a ideia é o cliente entrar e sair vestido da cabeça aos pés.